Seta Balao

COTE AQUI SEU SEGURO AUTO RAPIDINHO!

Qual é a marca do seu carro?

Dicas para investir seu 13º salário na compra de um seminovo

Compartilhe nas redes sociais:

10 dicas para comprar um veículo seminovo com seu décimo terceiro salário, sem dor de cabeça.

Nesta época em que começa a ser pago o 13º salário, o consumidor pode planejar comprar um veículo seminovo e fazer um bom negócio. Mas atenção, é preciso conhecer alguns cuidados que devem ser tomados, para que o sonho não se transforme em pesadelo.

Dicas para investir seu 13º salário na compra de um seminovo

Imagem: Seminovos. (Créditos: Extra.globo)

Se depois de analisar seu orçamento para o final do ano e chegar à conclusão de que, pagas as dívidas e o peru ainda haverá uma sobra para a troca do carro, a opção de comprar um seminovo pode ser bem mais vantajosa do que o carro zero quilômetro. A maior vantagem é o preço, mas a mecânica e o conforto também são os elementos chave para serem analisados.

Selecionamos 10 dicas importantes para que o investimento do décimo terceiro salário na compra de um seminovo só traga satisfação:

  1. Procedência

Se o veículo estiver exposto em uma loja de seminovos, solicite ao vendedor algumas informações para conferir se não há divergências. Você pode conferir nos sites do Detran, Denatran ou na Prefeitura os dados sobre o veículo. Verifique os dados sobre a cor do veículo, o número do bloco do motor, se não está com “alienação fiduciária”, ou seja, se está com seu valor já pago junto a bancos ou financiadoras.

  1. Onde encontrar o melhor seminovo

Onde encontrar o melhor seminovo

Imagem: Extra.globo

Um dos diretores da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), indica que o melhor local para se comprar um seminovo é na concessionária da marca que se deseja adquirir. Nesse local é possível encontrar maiores garantias e dados reais sobre o veículo. Além disso, as concessionárias ou lojas já fazem um filtro para selecionar os veículos que comprar e revendem. O ideal é que se examine o carro acompanhado de um mecânico de confiança, que saberá como olhar o veículo. As lojas costumam dar 90 dias de garantia ao consumidor, conforme o Código de Direito do Consumidor. Melhor do que isso somente comprando de um parente ou amigo, cujo carro você já conhece e gosta.

  1. Preço justo

Existem tabelas que são úteis para servir de referência quanto a preços para negociação de automóveis, como o Jornal do Carro e a Tabela Fipe Quatro Rodas. Os veículos com preço muito abaixo da tabela podem estar com problemas mecânicos sérios ou problemas legais e os vendedores praticam o preço baixo para atrair consumidores mais apressados.

  1. Garantia para seminovos com menos de 3 anos

Se o veículo seminovo que você está procurando tiver menos do que 3 anos de uso você ainda poderá aproveitar a garantia de fábrica. É o caso dos veículos da Honda, que oferece garantia de 3 anos, não importando a quilometragem. A Fiat oferece garantia integral de três anos para motor e câmbio nos modelos Bravo, 500, Freemont, Linea, Idea e Punto.

A Toyota oferece garantia de 3 anos ou 100.000 quilômetros para seus veículos e a Renault oferece essa garantia para o modelo Sandero.

Os carros com mais de 3 anos ou modelos que não possuem essa garantia podem apresentar defeitos ou problemas que trarão custos para o novo proprietário.

  1. Quilometragem

Quilometragem

Imagem: SPjapan

Verificar a quilometragem permite perceber qual o desgaste a que foi submetido o veículo. O exame do manual do veículo também indica se as revisões obrigatórias foram feitas.

É preciso cuidado para não ser enganado pela adulteração da quilometragem, que acontece quando o número de quilômetros rodados é diminuído para evitar a depreciação. O engano pode ser desfeito observando-se desgastes nos pedais de comando, na manopla do câmbio e no volante, além dos pneus. Atualmente essa adulteração é mais difícil, mas não impossível.

  1. O que se deve olhar no veículo

Quando estiver examinando veículos seminovos para compra, observe itens de segurança, como existência de triângulo, extintor, chave de rodas e condições do estepe. O nível de óleo e periodicidade de troca e o comprovante de revisões fornecem uma boa Idea sobre os cuidados de conservação que foram dados ao carro.

  1. Checagem da mecânica do veículo

Checagem da mecânica do veículo

Imagem: Supertopmotor

Um teste básico para se examinar o veículo é ligá-lo em marcha lenta para se observar os níveis de ruído e alguma vibração no volante ou na alavanca de câmbio, nos modelos manuais. Um teste nas ruas mostrará se há folga no pedal de freio e o estado da suspensão ao se passar em buracos. Outros detalhes poderão ser observados pelo mecânico de confiança, que consegue avaliar as condições do carro com precisão.

  1. Defeitos provenientes de batidas ou enchentes

Existem reparos bem feitos que são difíceis de perceber. Mas uma dica é observar detidamente o alinhamento das portas, porta-malas, capôs, verificando se há irregularidade na pintura. Alguns detalhes podem mostrar adulteração, como parafusos em portas e tampas e braçadeiras no motor. Quando há divergência de tons é porque a peça não é original e sofreu algum reparo.

  1. Modelos de difícil revenda

Há modelos que são preferidos no mercado brasileiro. Independentemente da montadora, os preferidos no Brasil são os carros prata e preto. No caso da cor prata, talvez pela facilidade de manutenção da limpeza, por aguentarem mais o clima de sol muito quente em algumas regiões. No caso do preto por conferirem um ar mais sóbrio e talvez imponente. Carros que são difíceis de vender são de cores berrantes, os brancos e os amarelos. Nesse caso, o consumidor pode barganhar um bom desconto na hora da compra, mas terá dificuldade em revender no futuro.

Outros automóveis difíceis de revender são os importados que não possuem rede de assistência técnica no Brasil, os carros muito caros e aqueles com história de acidente ou que foram leiloados. Nesses casos você pode pedir um bom desconto.

Modelos de difícil revenda

Imagem: Destran

Também os carros que saíram de linha são desvalorizados pelo mercado. A razão é que a substituição de peças para manutenção vai se tornando cada vez mais difícil. Se o carro está com a lataria amassada ou teve seu acabamento original alterado, com pneus diferentes, rebaixamento, cores exóticas, não conseguirá o valor de mercado na revenda.

  1. O consumidor mais informado consegue melhor negócio

Antes de comprar um seminovo, a melhor atitude é pesquisar antes em sites e revistas especializadas, reunindo a maior informação possível sobre o veículo com o qual se sonha. As revistas como Quatro Rodas, da Editora Abril e o site Auto Esporte, da editora Globo ajudam muito, divulgando quais os melhores carros usados, informações sobre o desempenho e, o que é muito importante, avaliações de quem possui o veículo.


Compartilhe nas redes sociais:
Leia mais artigos sobre: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *