Topo

18 situações em que a seguradora pode negar a indenização do seguro

Contratou um seguro auto e não quer ter nenhum problema? Então acompanhe este artigo e veja quais são as principais situações em que a seguradora pode negar a indenização do seguro!

Contar com um seguro auto é uma excelente escolha para quem procura mais proteção e menos dores de cabeça em relação ao seu carro.

No entanto, independente de contratar uma das seguradoras mais confiáveis do país, ou uma empresa nova no mercado, existem algumas regras para que a indenização do seguro seja paga.

O seguroauto.org deseja que você adquira o melhor seguro para o seu carro. Veja como!

Quando essas não são cumpridas, o segurado perde o direito a receber os valores.

Então, é preciso estar sempre atento, por exemplo, se você precisar de um carro reserva, mas seu contrato não possui esse benefício, a seguradora tem o direito de negá-lo.

Ler a apólice com cuidado, e assim não correr o risco de ter o seguro negado.

Quer conhecer quais são as situações mais comuns em que a empresa pode negar a indenização do seguro?

Então veja algumas delas.

15 situações em que a seguradora pode negar a indenização do seguro
Fonte: Pixabay

18 situações em que a seguradora pode negar a indenização do seguro

1. Mentir sobre suas informações

Informar dados errados, seja em relação ao uso do veículo, local de residência, ou outros pode resultar na negação do pagamento da indenização.

É importante que você saiba que as seguradoras de moto, carro e outros veículos, possuem um departamento de investigação, responsável por analisar se todas as informações passadas realmente condizem com a realidade.

Se a seguradora encontrar divergências, pode negar a indenização do seguro, então é melhor falar a verdade e pagar um pouco a mais pelo seguro do que ficar sem ele.

2. Perfil incorreto

Qualquer informação errada sobre o perfil como, por exemplo, a idade do motorista, já se torna um problema, mesmo que ela não seja intencional, a recusa da indenização acontecerá.

Então é importante que você reveja diversas vezes as informações da proposta para evitar esse tipo de dor de cabeça.

3. Mudança de perfil durante a vigência

Qualquer alteração deve ser informada à empresa, seja a seguradora Suhai, MAPFRE Seguros, Allianz ou outras.

Se você mudar de casa, se casar, ou separar, por exemplo, é importante que avise seu corretor para que um endosso com a alteração seja anexada à sua apólice.

Assim que o fato ocorrer, a seguradora deve ser comunicada para que sejam feitas as correções necessárias em relação ao valor cobrado pelo serviço.

Simule o preço do seu seguro auto em nosso formulário.

Isso é importante porque essas informações alteram diretamente o perfil de risco analisado pela seguradora.

4. Dirigir embriagado

Entre as situações em que a seguradora pode negar a indenização do seguro, está a embriaguez ao volante.

Está previsto em lei e na apólice de seguros que não é permitido dirigir embriagado.

Se você sofrer um acidente e mesmo após recorrer contra a Lei Seca for comprovado que estava embriagado, ou que você estava praticando qualquer ato contra a lei, a recusa da indenização é certa.

5. Emprestar o carro para pessoas não habilitadas

Se você resolver ensinar um filho, ou qualquer outra pessoa não habilitada a dirigir, e ela provocar um sinistro, nem adianta acionar a seguradora.

Ela está amparada pela lei para negar o pagamento da indenização.

6. Atraso de pagamento

Não estar com o pagamento das mensalidades em dia gera a suspensão da cobertura e até mesmo o cancelamento do seguro.

Nesses casos, se percebido que não será possível pagar até o vencimento, o melhor a fazer é entrar em contato com a seguradora para negociar os valores e não correr o risco de perder seus direitos em caso de sinistro de veículos.

7. Sinistro intencional

Mesmo parecendo improvável, existem alguns segurados que provocam o sinistro de veículos para receber a indenização.

Como dito anteriormente, as seguradoras de moto, carro, entre outros veículos, possuem profissionais especializados para analisar diferentes situações, inclusive o motivo do sinistro.

Cote agora o preço do seu Seguro Auto!

A melhor cotação, com as melhores corretoras, pelos melhores preços.

Se for provado que a situação foi intencional, o pagamento da indenização será negado.

8. Agravamento de risco

Ações consideradas como agravo do risco precisam ser evitadas.

Se o carro foi estacionado com o vidro aberto, a chave foi deixada no contato enquanto o motorista estava ausente, ou qualquer outra situação que exponha o carro a um risco desnecessário for constatada, a negação do seguro acontecerá.

9. Colocar acessórios de valor no veículo

Instalar acessórios chamativos no carro, como aparelhos de som e/ou DVD, entre outros, são uma espécie de agravamento de risco, visto que eles chamam a atenção dos bandidos.

Por isso, sempre que for adicionado algum acessório após a vistoria, é preciso comunicar a seguradora.

10. Mudanças na estrutura do veículo

Qualquer mudança estrutural no veículo que seja realizada após a vistoria ou mesmo a contratação do seguro auto, seguro de moto, caminhão ou outros veículos, precisa ser comunicada à seguradora.

Até porque existem algumas situações, como o rebaixamento do carro e mudanças no motor, por exemplo, que as seguradoras não oferecem cobertura, pelo contrário, se recusam a segurar esse tipo de veículo.

11. Levar vantagem em cima da seguradora

Qualquer ação que seja considerada vantagem sobre a seguradora resulta na recusa do seguro.

Além das citadas acima, podem ocorrer diversos outros casos.

12. Sinistro envolvendo veículos de parentes de 1º grau ou cônjuges

Familiares de primeiro grau, como pais, irmãos e filhos, assim como cônjuges, não são caracterizados como terceiros.

Por isso, se você bater no carro da sua esposa, ou do seu irmão, o seguro não atenderá ao sinistro.

13. Acidentes provocados por terceiros

Você foi a um restaurante que havia serviço de manobrista, e este bateu seu carro.

Se o estabelecimento não oferecer um seguro, nem adianta entrar em contato com o seu, pois, ele não atenderá o sinistro.

Neste caso, o melhor a ser feito é procurar pelo responsável do estabelecimento e cobrar os danos dele.

14. Tumultos generalizados

Caso seu carro seja exposto a situações de risco como brigas de torcedores ou manifestações públicas, e seja danificado, você não terá direito a receber a indenização da seguradora.

Esta cláusula está prevista na apólice, portanto, tenha sempre muita atenção com esses detalhes.

15. Dirigir na contramão

Por mais improvável que essa situação possa parecer, acredite, ela acontece com muita frequência.

Constantemente as pessoas entram em ruas, sem ter certeza da ‘mão’ destas, e na maior parte das vezes acontecem colisões.

Se isso acontecer com você, resolva a situação na hora, pois, acionar o seguro não resolverá nada, visto que a seguradora poderá negar a indenização do seguro.

Dirigir na contramão é uma infração de trânsito, por isso não é coberto pelo seguro.

16. Dirigir acima da velocidade permitida

É preciso respeitar a legislação de trânsito se quiser ser indenizado pelo seguro, isto consiste em respeitar os limites de velocidade.

Se for constatado que estava acima do limite da via, poderá haver negação por parte da seguradora uma vez que o motorista assumiu o risco e descumpriu com a legislação.

17. Documentação incompleta

Quando a pessoa sofre um sinistro é preciso que o segurado envie alguns documentos para a seguradora, sendo que esses são informados quando é comunicado o ocorrido.

Por exemplo, se o carro for roubado será preciso encaminhar um boletim de ocorrência com o fato registrado e mais os documentos do carro.

Se eles não forem enviados, o pagamento da indenização fica retido até que tudo seja regularizado.

Veja com a seguradora a lista do que precisa ser enviado e confirme se eles receberam o que foi solicitado se não quiser ficar sem receber.

18. Falta de cobertura

Não é porque se envolveu em um sinistro que a seguradora é obrigada a pagar qualquer coisa que aconteça com o carro.

É preciso que tenha contratada a cobertura para aquela determinada situação.

Se causar um acidente e isso envolver terceiros, caso você não tenha a cobertura especial para esse caso, saiba que a seguradora pode negar indenização ao terceiro.

Por isso, é fundamental estar sempre atento a sua apólice para saber o que tem direito e o que pode ser negado.

18 situações em que a seguradora pode negar a indenização do seguro
Imagem de aymane jdidi por Pixabay

Quando a indenização é aprovada, como recebo?

Na maioria dos casos o pagamento da indenização é aprovado, por isso, se você se envolver em um acidente e não tiver cometido nenhuma infração que faça a seguradora negar a indenização do seguro, poderá recebê-la sem problemas.

No caso de perda parcial, aquele em que o carro precisa ir para oficina para ser consertado, basta informar à seguradora onde levou o carro e após o orçamento aprovado, ela fará o pagamento para o estabelecimento.

Você também precisará entrar com valores, arcando com a franquia, previamente estipulada na apólice, esse pagamento deve ser realizado diretamente na oficina escolhida para o reparo.

No caso de perda total que pode ser resultante de uma colisão, roubo ou furto, o prazo para pagamento é de até 30 dias após o envio da documentação. Essa regra é válida para todas as seguradoras, seja a Azul Seguros, seguro MAPFRE, Mitsui Seguros, Assurant seguradora e outras.

Mas, fique atento a cada uma das regras da seguradora que você contratou e se informe sobre algumas alterações nos veículos antes de realizá-las, como, por exemplo, caminhão rebaixado. 

O que fazer se a seguradora não quer pagar a indenização?

Se tiver algum problema para receber os valores que tem direito converse com a seguradora e entenda o que está acontecendo. Se não tiver acordo, então terá de procurar os seus direitos.

A SUSEP – Superintendência de Seguros Privados, empresa responsável por regulamentar todo o setor de seguros do país, lançou no ano de 2017 um conteúdo chamado “Guia de orientação e defesa do consumidor” que poderá ajudar muito na solução de dúvidas sobre o seu seguro auto, seguro de moto, caminhão ou outros veículos.

Este conteúdo está disponível para download neste link e, vale a pena ser lido com mais atenção. Apesar de este ser o caminho mais longo, muitas vezes a única alternativa do segurado é mover uma ação contra a seguradora que não paga o sinistro.

Por isso, se este for o seu caso, procure se informar o máximo possível. Agora que já sabe dessas situações, quando for fazer o seu seguro auto fique mais atento a elas.

Se uma destas regras for descumprida, não adianta reclamar, seja na seguradora ou na SUSEP. Se ela já estava prevista na apólice, era necessário ter prestado atenção antes.

Por isso, tenha muita atenção com seu contrato, assim não correrá o risco de a empresa negar a indenização do seguro e poderá andar despreocupado com o seu carro.

Saiba que as seguradoras estão disponíveis para sanar dúvidas também. Basta entrar em contato com a central de atendimento da Allianz, MAPFRE Seguros, Suhai Seguros, Azul seguro auto, Tokio Marine seguradora, Alfa Seguros, Ituran Seguros, seguro Porto Seguro, seguradora Youse e outras empresas de seguro de automóvel, seguro para moto e outros veículos. 

Em caso de dúvidas, a quem devo recorrer? 

Se você ainda ficou com dúvidas sobre se a seguradora pode ou não negar a indenização do seguro, fale com seu corretor de seguros. Além dele, você pode falar diretamente com a seguradora ou, inclusive, com a SUSEP. 

Além disso, pode tirar as dúvidas com o seu advogado. Mas, é importante estar ciente do que contratou com a Mitsui Seguros, seguro MAPFRE, Assurant seguradora, Azul Seguros e outras. Então, leia a sua apólice e tenha certeza das regras para indenização do seguro de carros para sinistro de veículos. 

Vale a pena acionar o seguro auto para qualquer tipo de sinistro? 

Nem sempre. Isso porque existe o valor de franquia para acionar muitas coberturas e nem sempre o valor compensa. Ou seja, conforme o valor do conserto do carro, por exemplo, a franquia do seguro de carro pode ficar mais cara.  

Portanto, não compensa acionar o seguro e sim arcar com as despesas. Mas, nem sempre existe o valor da franquia para pagar, já que alguns motoristas optam por pagar mais caro na proteção e não ter essa taxa.  

Esse tipo de plano é comum e pode ser ofertado por diferentes seguradoras, seja a Azul Seguros, Allianz, MAPFRE, Suhai, Tokio Marine seguradora, Alfa Seguros, Ituran Seguros, seguro Porto Seguro, seguradora Youse e outras empresas de seguro de automóvel. 

É importante analisar os valores e decidir pelo que mais será viável ao seu bolso. 

Fonte: https://www.revistasportmotors.com.br/

*Publicado em:

4/5 - (9 votes)

Artigos relacionados

sensor de temperatura carro

Saiba tudo sobre Sensor de Temperatura do Carro

Data: 20/02/24

Tempo estimado de leitura:

2 min
Categoria: Manutenção Carro Leia agora
o que é abalroamento

Descubra o que é abalroamento!

Data: 15/02/24

Tempo estimado de leitura:

2 min
Categoria: Manutenção Carro Leia agora
martelinho de ouro

Martelinho de Ouro: Conheça Suas Funções e Se o Seguro Auto Cobre

Data: 23/01/24

Tempo estimado de leitura:

3 min
Categoria: Manutenção Carro Leia agora

394 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • P
    Pedro says:

    Uma dúvida, meu carro tinha um bloqueio renajud (restrição judicial) e um afiliado de uma certa seguradora bateu no meu carro parado e deu PT, eles podem negar a minha indenização?


    • J
      Juliana Souza says:

      Caro Pedro,

      Agradecemos por compartilhar sua dúvida conosco. Com relação à sua situação, é importante destacar que cada caso pode ter suas particularidades, e é necessário analisar os termos específicos da sua apólice de seguro e a legislação vigente.

      No entanto, de acordo com a legislação brasileira, a existência de uma restrição judicial (como o bloqueio Renajud) não deve, em princípio, impedir a indenização por parte da seguradora em casos de colisão causada por terceiros.

      A seguradora pode negar a indenização em situações específicas, como se ficar comprovado que houve má-fé ou intenção de causar o sinistro por parte do segurado. No entanto, a restrição judicial não é, em si, motivo para negar a indenização.

      Recomendamos que você entre em contato diretamente com a sua seguradora para obter informações mais precisas e verificar os detalhes específicos do seu caso. Dessa forma, você poderá receber orientações adequadas de acordo com a sua situação.

      Esperamos ter ajudado esclarecendo sua dúvida. Caso tenha mais perguntas ou necessite de mais assistência, estamos à disposição.

      Atenciosamente,
      Equipe Seguro Auto

  • E
    Evandro Rodrigues… says:

    A seguradora pode recusar endosso de carro no preço da tabela fipe, inclusive, em se tratando de taxi? A sucursal da seguradora é co responsável por dano moral e outras avenças, caso o segurado foi avisado da recusa do endosso?


    • J
      Juliana Souza says:

      Olá Evandro,

      Agradecemos por compartilhar suas dúvidas conosco. Em relação à sua pergunta, de acordo com a legislação brasileira, a seguradora tem o direito de recusar o endosso de um carro pelo preço da tabela FIPE, inclusive quando se trata de um táxi. Isso porque a seguradora tem o poder de analisar o risco envolvido no veículo e determinar se deseja ou não realizar o seguro com base nas suas próprias políticas e critérios.

      Quanto à sua segunda pergunta, a sucursal da seguradora não é automaticamente co-responsável por danos morais e outras questões legais caso o segurado seja informado da recusa do endosso. No entanto, é sempre importante avaliar o contrato de seguro específico e as circunstâncias envolvidas. Em casos controversos, recomenda-se buscar orientação jurídica adequada para analisar a situação em detalhes e determinar se há algum tipo de violação contratual ou responsabilidade por parte da seguradora.

      Esperamos ter esclarecido suas dúvidas. Caso você precise de mais informações ou tenha outras perguntas, estamos à disposição para ajudar.

      Atenciosamente,
      Equipe Seguro Auto

  • S
    Sandro Datovo says:

    Boa tarde!!!
    Fiz a troca de meu veículo e paguei o endosso, pois o carro que adquiri é mais caro o plano, porém a seguradora ainda não me mandou o link para vistoria, e disseram para a corretora que pode demorar até três dias para mandarem o link… Estou com cobertura ou não?


    • J
      Juliana Souza says:

      Prezado Sandro Datovo,

      A partir do momento em que você pagou o endosso para incluir o novo veículo em seu plano de seguro, o mesmo passa a estar coberto pela seguradora. Entretanto, para que o veículo esteja efetivamente segurado, é necessário que seja realizada a vistoria prévia.

      Sugerimos que entre em contato com a seguradora para verificar o status da vistoria e solicitar informações sobre o prazo para a realização da mesma. Caso a seguradora se recuse a realizar a vistoria ou negue a cobertura do veículo, recomendamos que procure um advogado especializado em direito do consumidor.

      Esperamos ter ajudado e ficamos à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas adicionais.

      Atenciosamente,
      Equipe Seguro Auto

  • L
    Lucas Anderson… says:

    Olá tudo bem? Se não fizer o teste mensal pode ser negado o seguro? E não adianta ir atrás de algum direito?


    • J
      Juliana Souza says:

      Olá Lucas,

      A realização do teste mensal não é obrigatória para a validade do seguro auto. No entanto, caso ocorra um sinistro e seja constatado que o veículo não estava em condições de uso devido a falta de manutenção, a seguradora pode se recusar a pagar a indenização.

      Em relação aos seus direitos, caso tenha dúvidas ou precise de orientação jurídica, é recomendável que procure um advogado especializado na área. Ele poderá esclarecer suas dúvidas e orientá-lo sobre as medidas cabíveis.

      Espero ter ajudado.

      Atenciosamente,
      Equipe Seguro Auto

    • T
      Taita says:

      Bati de moto em um carro parado e no boletim de ocorrência consta que o carro estava na contra mão. Agora o proprietário está pressionando o pagamento da franquia sendo que ele propôs o conserto particular..mas desde o acidente eu ainda tenho dores e ele está cobrando meu marido que desde o acidente já estava desempregado.agora ele mandou msg falando que vai acionar o seguro…que posso fazer pois ele não aceita que vou pagar a dívida assim que eu ou meu marido estivermos trabalhando..e que vai acionar o seguro porém no caso eu ainda sinto dores e não uso a moto por causa das dores meu acidente e meu marido ainda está desempregado meu acidente foi 22/03 /23

      • J
        Juliana Souza says:

        Prezada Taita,

        Agradecemos por compartilhar sua situação conosco. Lamentamos pelo acidente e pelas dores que você está sentindo. Entendemos que esse é um momento delicado para você e seu marido e desejamos uma rápida recuperação.

        No caso de acidentes de trânsito, é importante contar com a cobertura do seguro para lidar com os custos envolvidos. Sugerimos que você entre em contato com a sua seguradora o mais rápido possível e relate todos os detalhes do acidente, incluindo a informação de que o veículo estava na contramão conforme consta no boletim de ocorrência.

        Explique a situação em relação ao pagamento da franquia e discuta as opções disponíveis para efetuar o pagamento. É possível que a seguradora possa ajudá-la a encontrar uma solução adequada para o seu caso, considerando suas circunstâncias financeiras.

        Além disso, em relação às dores e à impossibilidade de usar sua moto, é essencial que você procure um profissional de saúde, como um médico ou fisioterapeuta, para avaliar suas condições físicas e recomendar o tratamento apropriado. Documentar suas dores e o impacto na sua vida diária pode ser útil para futuras ações relacionadas ao acidente.

        Lembramos que cada situação é única, e recomendamos que você entre em contato com a sua seguradora para obter orientações específicas para o seu caso. Eles estão mais preparados para lidar com situações como essa e poderão oferecer o suporte necessário.

        Desejamos que tudo se resolva da melhor forma possível para você e seu marido. Caso precise de mais alguma informação, estamos à disposição.

        Atenciosamente,
        Equipe Seguro Auto

  • C
    Clinder Lopes… says:

    Olá, tenho um carro que não está no meu nome,e o mesmo está com restrição judicial e busca apreensão.
    Não é com financeira não, é briga com ex esposa.
    Pois bem,o seguro cobre PT caso o veículo venha sofrer esse tipo de acidente ,ou roubo.
    Obrigado.


    • J
      Juliana Souza says:

      Prezado Clinder Lopes Castro,

      A cobertura de perda total (PT) de um veículo pelo seguro está diretamente relacionada às condições previstas na apólice. Em geral, as seguradoras não cobrem sinistros decorrentes de atos ilícitos ou criminosos, como o furto ou roubo de um veículo que esteja com restrição judicial ou busca apreensão. Por isso, é importante verificar as condições do contrato e as cláusulas de exclusão da apólice.

      Em relação à sua situação específica, é importante destacar que a não transferência do veículo para o seu nome pode afetar a cobertura do seguro, uma vez que a maioria das seguradoras exige que o veículo esteja registrado em nome do segurado ou de seu cônjuge/companheiro(a).

      Quanto à questão jurídica envolvida em seu caso, recomendamos que você procure um advogado especializado para orientá-lo da melhor forma possível.

      Atenciosamente,
      Equipe Seguro Auto

  • C
    Carlos F.… says:

    Olá.

    Em dezembro de 2020, mudei de seguradora e contratei a renovação do seguro de meu veículo junto a uma renomada seguradora, com cobertura para o veículo em caso de colisão, incêndio, roubo e furto de 100% tabela fipe, além de danos materiais e corporais 100mil e morais 20mil. Na ocasião a seguradora dispensou a vistoria previa e NÃO ME INFORMOU que não cobriria peças que já tivessem sofrido algum reparo anterior. A situação se repetiu durante renovações no mês de dezembro dos anos 2021/2022 e 2022/2023. Em 15 de janeiro de 2023, cai em um buraco que provocou a abertura do capô e saida de pista com colisão em um objeto estatico (tronco de arvoré). A seguradora autorizou parcialmente os serviços, se negando a cobrir mais de 70% das peças (as mais caras) necessárias para conserto, sob alegação de que as avarias em diversas peças por eles indicadas não são decorrentes do acidente. Pode a seguradora negar a troca e cobertura das peças sob este argumento neste caso? Como proceder, pois já são 3 meses sem meu carro? Esse foi o meu primeiro acidente com abetura de sinistro desde 2007.


    • J
      Juliana Souza says:

      Olá Carlos,

      Sentimos muito pelo ocorrido e esperamos que você esteja bem após o acidente. Em relação à sua pergunta, a seguradora pode negar a cobertura de peças que já tenham sido reparadas anteriormente, caso isso esteja previsto nas condições do contrato. Porém, é importante verificar se essa informação foi realmente omitida pela seguradora no momento da contratação do seguro. Se houver dúvidas ou discordância em relação à decisão da seguradora, é recomendável que você entre em contato com a ouvidoria da empresa e procure uma advogado para buscar uma solução para o seu caso.

      Lamentamos pelos transtornos que essa situação pode ter causado e desejamos que você consiga resolver essa questão o mais breve possível.

      Atenciosamente,
      Equipe Seguro Auto.

  • I
    Italo fernandes says:

    Ola tudo bem? Meu carro estava guardado na garagem, um drogado transtornado arrombou o portao e deteuiu meu carro usando uma machadinha,tenho testemunhas,fiz o b.o, o seguro cobre?


    • J
      Juliana Souza says:

      Prezado Italo Fernandes,

      Sentimos muito pelo ocorrido e esperamos que você esteja bem. Sobre sua dúvida, sugerimos que entre em contato com sua seguradora para verificar a cobertura do seu seguro em relação a este tipo de situação. É importante lembrar que cada apólice de seguro possui suas próprias cláusulas e condições, por isso, a seguradora poderá esclarecer melhor sobre a cobertura do seu seguro. Além disso, caso tenha alguma dificuldade em resolver o seu problema com a seguradora, você pode entrar em contato com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), que é o órgão regulador do setor de seguros no Brasil, para buscar orientação sobre seus direitos e deveres como consumidor.

      Atenciosamente,
      Equipe Seguro Auto.