Seta Balao

Simule o preço do seu Seguro Auto

Qual é a marca do seu carro?

Pneus remolds e recauchutados, atenção para as diferenças

Esta é a época de férias, em que muitos viajam. Quando se fala em segurança, os pneus em ordem são essenciais. Pneus recauchutados e remolds são mais baratos, mas será que vale a pena economizar nesse item tão importante?

 Muitos motoristas, para economizar na hora da troca dos pneus, optam por produtos mais baratos, como os pneus recauchutados ou remoldados, os remolds.

Há atualmente uma melhora tecnológica na fabricação desse tipo de pneus, mas dificilmente eles se comparam aos novos.

Pneus remolds e recauchutados, atenção para as diferenças

Imagem: Getty Images

O que são pneus remoldados ou remolds

Os remoldados ou remolds, segundo especialistas declaram, tem um tempo de vida que é metade de um pneu zero.

Isso quer dizer que, se os pneus novos rodam de 50 mil a 60 mil quilômetros, o remold irá rodar entre 25 a 30 mil quiômetros.

O processo de fabricação utiliza pneus usados desgastados, que são recuperados através da técnica de vulcanização, que consiste na raspagem da banda de rodagem e laterais do pneu, eliminando dados gravados, como modelo, marca, dimensões, série de fabricação, índice de carga e velocidade.

Novas bandas de rodagem, laterais e inscrições são colocas na carcaça reaproveitada. O preço gira em torno de 50% a 60% de um pneu novo.

Se o pneu remold for produzido em oficinas com máquinas e mão de obra especializadas, utilizando matéria prima de primeira qualidade, ele pode ser considerado seguro.

Mas antes de comprar, é importante saber se os produtos usados são certificados pelo Inmetro – Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

Há empresas especializadas, como a Crystone Pneus, de Petrópolis – RJ, que fabrica mais de 25 opções de remoldados, para diversos modelos de carros e utilitários.

A empresa garante que o produto oferece segurança, custando aproximadamente 50% menos do que um novo, a partir de R$ 130 (dados de janeiro de 2019).

Ali as carcaças são examinadas, depois seguem para a raspagem da banda de rodagem, para receberem uma nova camada de borracha.

Depois disso, o pneu passa por prensas vulcanizadoras, para a fixação da nova banda de rodagem e novas laterais do pneu.

O que são os recauchutados

Os pneus recauchutados, diferentemente dos remoldados, recebem apenas uma nova camada de borracha. O material é colado na banda desgastada.

Os fabricantes avaliam que é preciso cuidado nesse processo, recomendando que eles sejam utilizados apenas na tração traseira.

A compra precisa ser feita em estabelecimentos que realmente entendam da técnica de fabricação. O preço é ligeiramente inferior ao do remoldado e a durabilidade, segundo o fabricante, depende do uso do carro.

Os revendedores de pneus novos avisam que os pneus recauchutados e remodelados são fabricados com pneus usados que já rodaram mais de 50 mil quilômetros.

Um pneus desse tipo não informa a marca de origem do pneu e não se consegue saber em que estado ele se encontrava antes de ser reformado.

Pneus em mau estado de conservação podem render punição para o motorista, segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). A infração gera cinco pontos na CNH e multa de R$ 127,69.

Independentemente do tipo de pneu, é preciso periodicamente realizar o alinhamento e o balanceamento, pelo menos a cada 10 mil quilômetros rodados.

A calibragem também é muito importante, e deve ser feita a cada duas semanas, segundo as especificações do fabricante do veículo.

Perigos em usar pneus recondicionados

O pneu é um dos componentes do carro que se desgasta mais rapidamente e o risco aumenta proporcionalmente ao desgaste.

Nos últimos anos, devido às dificuldades financeiras, aumentou a procura por pneus reformados, assim como os acidentes em estradas provocados por seu uso.

Fabricantes como a Goodyear e a Pirelli alertam para a sua utilização, lembrando que grande parte dos acidentes nas estradas ocorre tendo como causa o mau estado dos pneus.

O motivo é a falta de controle de qualidade na comercialização de pneus usados, que ficam abaixo dos padrões da indústria de pneus novos.

Existem defeitos que não são percebidos, não ficam visíveis de forma a permitir sua detecção. Não há documentos que demonstrem de onde vieram, que tipo de utilização e exposição de uso tiveram, ou seja, informações sobre sua vida útil.

O barato pode sair caro

Essa expressão pode ser muito bem aplicada no caso da compra de pneus recondicionados. Um pneu novo custa mais caro, mas seu perfil tem 8 mm de profundidade e o pneu usado, em muitos casos, o perfil não passa de 2 mm.

Especialmente em regiões úmidas ou na chuva, um pneu usado precisa de ao menos 50% ao mais de distância para a frenagem do que um pneu novo e esse é um grave indicador de insegurança.

Há problemas em pneus recauchutados, como lonas descobertas, que indicam extremo desgaste, pressão abaixo do limite estipulado e falta de garantias.

Algumas dicas na compra de um pneu usado

São muitos os riscos, mas se você realmente precisa optar por um pneu usado, recauchutado ou remold, há alguns cuidados que podem garantir mais tranquilidade, tais como:

– Compre em uma loja de confiança ou de um vendedor que você já conhece, que tenha uma boa reputação no mercado, com recomendações positivas de seus clientes.

– Ao escolher os pneus, observe seu padrão, principalmente a existência de sinais de desgaste. Os diversos tipos e modelos de carros imprimem desgaste diferente nos pneus, conforme também o seu uso.

– Verifique o manual do carro para conferir os dados de seu veículo com os dados dos pneus que pensa em comprar. Se não possuir o manual, faça uma consulta online para consegui-los.

– Verifique a profundidade e desgaste dos sulcos do pneu. A profundidade mínima deve ser de 4,5 mm, para que compense a compra. Tipos de pneus diferentes têm características específicas, que precisam ser analisadas conforme o caso.

– Pneus com ressaltos, cortes, partes planas nas laterais, exposição do revestimento interno, devem ser rejeitados. Da mesma forma se apresentarem desgaste desigual.

Se a compra for necessária, qual a melhor opção, remold ou recauchutado?

Se realmente não for possível a compra de um pneu novo, ou este não estiver disponível, a melhor opção é o remold.

Ele também é montado com a base de um pneu usado, mas a estrutura é inspecionada, é raspada na banda e nas laterais, sobre a qual é feita a vulcanização. A camada restauradora do remold é superior.

O Inmetro exige que os remolds sejam feitos com pneus usados de no máximo sete anos, com selo de garantia de origem e atestado de conformidade com as normas.

As ranhuras não podem ser inferiores a 6 mm, com indicadores de desgaste que fiquem com altura entre 1,6 mm e 2,2 mm.

Testes realizados com quatro marcas de pneus do tipo remold, comparados com um jogo de pneus novos como referência, tiveram os seguintes resultados:

– Os remolds mostraram ter limites de velocidade para aquaplanagem mais baixos, com menor aderência lateral.

– Nas frenagens, resultados em pista seca foram semelhantes. Em pista molhada, a 80 km/h, a diferença de um remold para um pneu novo chegou a 7,5 metros.

– A vida útil de um remold costuma ficar entre 30% e 50% mais curta do que a dos pneus novos. Os preços, por outro lado, são 50 por cento menores. Considerando a vida mais curta, que fará ser necessária outra troca em um período de tempo bem mais curto, a troca de um novo por um usado acaba por não ser compensadora, além dos riscos que oferece em termos de segurança.

Leia mais artigos sobre:
Jeniffer Elaina da Silva

Especialista em seguros, Jeniffer Elaina trabalha com redação, revisão e otimização SEO desde 2012. É formada em Marketing com pós em Administração na FGV e atualmente cursa Gestão de Seguros. É apaixonada pelo que faz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *