dcsimg

Seguro Auto Popular: cuidado para não se enganar

É preciso comparar as condições do Seguro Auto Popular com o seguro tradicional, para que você possa entender as diferenças e tomar sua decisão

O Seguro Auto Popular foi criado em abril de 2016, mas ainda esta em fase inicial, disponível em poucas seguradoras e somente nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo. A frota brasileira de veículos é de cerca de 60 milhões, em que apenas 17,5 milhões estão segurados, o que corresponde a 30% da frota. O projeto do Seguro Popular é expandir a frota coberta em ao menos 10%, no prazo de 5 anos.

Seguro Auto Popular: cuidado para não se enganar

Ele apareceu como uma opção de seguro mais barata, para carros mais velhos e a proposta inicial foi modificada até chegar ao mercado. Até o início deste ano somente duas seguradoras estão oferecendo o Seguro Auto Popular, a Porto Seguro, em seu ramo Azul e a Tokio Marine, somente para alguns modelos de automóvel. O valor de contratação é, em média, 26% menor do que o seguro tradicional dessas companhias.

Comparação entre Seguro tradicional e Seguro Auto popular

Tomando como referência a Azul Seguros. Simulação para homem de 30 anos, morador de São Paulo. Veículo: Gol, Fox, Palio e Fiesta. 

Cobertura

– Tradicional – Colisão, incêndio, roubo/furto

– Popular – Colisão, incêndio, roubo/furto

Prêmio

– Tradicional – valor não divulgado

– Popular – valor não divulgado, mas em media 26% mais barato

Indenização

– Tradicional – até 110% da Tabela Fipe

– Popular – entre 80% e 90% da Tabela Fipe

Danos a Terceiros

– Tradicional – de R$ 50 a R$ 500 mil

– Popular – até R$ 25 mil

Franquia

– Tradicional

– reduzida – 50%

– normal – 100%

– majoradas – 125%, 150%, 175% ou 200%

– Popular – mais cara que a normal em 50% (média)

Assistência

– Tradicional – Gratuita até 400 km. Inclui reboque, socorro volante, chaveiro, troca de pneu, auxílio falta de combustível, retorno ao domicílio, hospedagem, retirada do veículo reparado.

– Popular – Gratuita somente até 100 km, incluindo guincho, pane elétrica, pane mecânica, auxílio falta de combustível e troca de pneus.

Assistência

 

Pagamento

– Tradicional – Parcelado sem juros em 4 vezes, no débito em conta, 5 vezes no cartão Porto ou 10% de desconto no pagamento à vista. Até 6 x com juros no cartão de outras bandeiras.

– Popular – Somente 5% de desconto à vista. 10 parcelas fixas em débito em conta ou sem desconto no cartão Porto. 6 vezes fixas nos cartões de outras bandeiras.

Na Azul Seguros o valor do seguro para um Volkswagen Gol ficaria em R$ 1.816,86, no seguro tradicional, considerando o perfil do segurado acima. No Seguro Auto Popular o valor cairia para R$ 1.266,59, isto é, 30% a menos. A proporção do desconto segue o que foi determinado pela Susep – Superintendência de Seguros Privados. O que é importante notar é a diferença em relação às indenizações, aos danos de terceiros, às características da assistência e a forma de pagamento.

Pagamento

Seguro Popular não atende a todos os consumidores

A modalidade de Seguro Popular é oferecida com restrições, o que limita bastante o perfil de público que será atendido. Somente alguns modelos de veículos estão sendo aceitos nessa modalidade. Além disso, existe um limite para a idade mínima dos carros. Essas restrições são impostas pelas seguradoras, porque a regulamentação desse seguro assim o permitiu.

É importante notar que a franquia passa a ser 30% mais cara do que a do seguro tradicional, em média, isto é, o consumidor passa a arcar com uma despesa bem maior em caso de acidente. Se você optar ou precisar escolher um seguro popular, vai precisar redobrar o seu cuidado com colisões, porque a economia na contratação vai por água abaixo se você bater em outro veículo.

Seguro Popular não atende a todos os consumidores

A Azul seguros somente aceita os carros com 5 anos ou mais, com um valor máximo de R$ 60.000,00, de uma lista de 40 modelos de automóvel, que inclui o Palio, o Gol, Uno, Corolla e Civic. Já a Tokio Marine não faz restrições de idade, mas a lista de modelos que aceita é de apenas 12 veículos: Voyage, Fox, Gol, Corsa Sedan, Corsa, Uno, Fiesta, Palio, Ka, Clio e Sprinter.

A lista de veículos incluiu aqueles para os quais existem peças alternativas no mercado, no momento. Isto porque, o seguro popular permite que as oficinas usem peças genéricas, novas ou até mesmo usadas, com origem em desmanches credenciados. Somente para reparo de itens de segurança, como freios, suspensão, amortecedores e pneus, há obrigatoriedade do uso de peças novas. O segurado deve estar ciente dessa condição.

O seguro popular não deve funcionar para carros com menos de 3 anos, porque a lei de patente não permite a venda de peças genéricas para componentes com menos de 3 anos.

Desmanche

Imagem: Votunews

Utilização de peças usadas ou “genéricas”

Um dos fatores que mais elevam o preço dos seguros é o preço das peças para reparos, quando elas são as originais. O meio que as seguradoras encontraram para baratear os seguros foi exigir a exclusividade dos reparos em oficinas parceiras, sem que o segurado possa escolher livremente sua oficina de confiança. Nessas oficinas, as seguradoras negociam descontos, encaminhando um maior volume de clientes garantidos. Não são todas as oficinas que estão preparadas para trabalhar com peças recondicionadas ou genéricas, as concessionárias, por exemplo, só trabalham com peças originais.

As regras da Susep que foram mudadas referem-se à liberação de utilização de peças de fabricação independente, ou “genéricas”, depois do pedido das seguradoras. Isso ocorreu porque não há mercado de peças usadas que atenda ao aumento da demanda. O projeto original do Seguro Auto Popular era o uso de peças usadas ou seminovas que viessem de desmanches regularizados, que atualmente não existem em número suficiente.

Mas, para a maioria dos modelos de automóvel atuais, não existem peças disponíveis facilmente, em todas as cidades. Os consertos demorariam demais e custariam mais. Dessa forma foi solicitado pelas seguradoras e autorizado o uso de peças genéricas, que muitas vezes são feitas pelos fornecedores das grandes montadoras, sem a marca original, mas que obedecem as mesmas especificações. Entretanto, há montadoras que estão contestando essa decisão e não concordam com o uso de peças genéricas.

Utilização de peças usadas ou “genéricas”

Houve também modificações na nova regulamentação, quanto à cobertura mínima que deverá ser indenizada por danos causados ao veículo por colisão, que agora deve incluir também danos parciais. Não serão permitidos pacotes apenas com indenização por perda total. Também será possível escolher um valor determinado, estipulado na hora do contrato ou ser escolhida a modalidade dos seguros tradicionais, que é o valor da Tabela Fipe.

Comentários

Sem comentários. Seja o primeiro a responder!

Postar um comentário