Seta Balao

Simule o preço do seu Seguro Auto

Qual é a marca do seu carro?

O seguro de carro cobre colisão traseira?

Você se envolveu em um acidente e está com dúvidas se o seguro de carro cobre colisão traseira? Não se preocupe, preparamos um artigo onde você poderá entender melhor essa situação, acompanhe.

Mesmo quem tem um seguro auto, quando se envolve em um acidente acaba ficando preocupado.

Nessas situações é comum que as preocupações sejam sobre as condições de cobertura do contrato e as circunstâncias do acidente.

Afinal, mesmo que uma pessoa tenha uma cobertura compreensiva, existem situações em que as seguradoras avaliam de quem foi a culpa do ocorrido antes de confirmar a cobertura como, por exemplo, no caso de uma colisão traseira.

Se você se envolveu em um acidente deste tipo e está se perguntando se o seguro de carro cobre colisão traseira. Acompanhe este artigo e descubra.

O seguro de carro cobre colisão traseira?

Fonte: Pixabay

Possibilidades de um acidente envolvendo uma colisão traseira

Existem duas possibilidades de acidente de trânsito envolvendo uma colisão traseira.

Uma em que outro motorista bate na traseira do seu carro e outra em que você acerta a traseira de um motorista.

Em ambas pode haver a cobertura do seguro, no entanto, é importante que você esteja atento às situações que promoveram a colisão.

Se um motorista bater na sua traseira o mais interessante é que ele acione o seguro dele para reparar o seu carro.

Agora, se você bater na traseira de outro motorista, terá de acionar o seu seguro para reparar os danos no seu veículo e no veículo atingido.

Isso porque, segundo o Código Nacional de Trânsito, todo motorista deve guardar uma distância segura do veículo da frente.

Com essa distância, obtém-se a possibilidade de frenagem mais eficaz, o que pode evitar um acidente.

Por isso, salvo exceções, quem bate na traseira é considerado o culpado pelo acidente. Isso já que este motorista não respeitou a distância regulamentar.

Quando o seguro de carro cobre colisão traseira?

Existem diferentes situações em que o seguro de cobre colisão traseira e, elas costumam variar de acordo com três possibilidades, que são:

  1. Em que o outro motorista é culpado e possui seguro com Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos (RCF-V);
  2. Em que o outro motorista é culpado e não possui seguro e/ou cobertura de Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos (RCF-V);
  3. Em que você é o culpado pela colisão.

Veja, a seguir, o que acontece em cada um dos cenários.

  1. Quando o outro motorista é culpado e possui seguro com RCF-V

A chamada cobertura de Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos (RCF-V) é uma cobertura contratada para ressarcir todos os danos que o segurado pode causar a outro motorista em uma colisão, por isso ele é popularmente conhecido como seguro para danos a terceiros.

Ou seja, se o envolvido no acidente tiver essa cobertura e promover uma colisão traseira, basta que ele acione o seguro e, assuma a responsabilidade.

O seguro arcará com todas as despesas necessárias ao outro veículo que não o do segurado. Os danos podem ser materiais e físicos (o que geralmente inclui o pagamento de despesas médicas).

  1. Quando o causador não possui seguro

Se o outro motorista foi culpado pelo acidente, é justo que ele pague pelo conserto das avarias.

Isso pode ser feito de dois modos. Primeiro, em um acordo amigável, em que o indivíduo se compromete a pagar os valores do próprio bolso.

Outra opção é solicitar o conserto das avarias pelo seu seguro.

Isso costuma ser possível quando existem apenas danos materiais, mesmo que o segundo condutor seja culpado pelo ocorrido.

As cláusulas sob o assunto, ficam listadas na apólice do seguro. O ideal é verificá-las antes mesmo da contratação do serviço.

Com o conserto pago pela sua seguradora, você terá que arcar com a franquia do seguro. Aqui, porém, você poderá solicitar que o segundo piloto pague o valor.

Assim, ele poderá negociar diretamente com a seguradora, e o problema terá fim.

Em ambos os casos, é fundamental solicitar ao outro condutor os seus dados.

Nome completo, telefone e e-mail. Você também precisa anotar a placa do automóvel envolvido e, se possível, tirar algumas fotos da cena.

Essas informações poderão auxiliar na resolução do conflito.

Caso o motorista se negue a quitar o devido. Seja o conserto, ou a sua franquia, você pode e deve tomar as medidas judiciais cabíveis.

  1. Quando você é culpado pela colisão

Como citado no início do texto, são raras as situações em que o motorista atingido é considerado culpado pela colisão.

Porém, ainda assim uma situação deste tipo pode ocorrer. Por exemplo, se você estiver dirigindo à noite e sem luz de freios.

Em uma situação como essa, caso você freie, o outro condutor não poderá ver isso acontecendo e acabará colidindo com o seu carro.

Neste tipo de ocasião, você se torna responsável pelo próprio prejuízo. Logo, deverá acionar o seguro e pagar a franquia.

Ao mesmo tempo, há a possibilidade de pagamento do prejuízo do outro indivíduo.

Caso você tenha em sua apólice a cobertura RCF-V, a seguradora se responsabilizará pelos valores.

Do contrário, você deverá pagar os custos do próprio bolso, também ficando sujeito à medida judicial.

Independentemente da situação é comum que as seguradoras sempre realizam a vistoria dos veículos e da colisão.

Assim, podem avaliar o grau de culpa de cada um, e então tomar as medidas necessárias para cobertura dos prejuízos.

Como funciona a cobertura de danos a terceiros?

É interessante explicar resumidamente como funciona a cobertura de danos a terceiros.

Assim, se você estiver pensando em contratar o serviço, terá uma noção maior das suas vantagens.

A cobertura de danos a terceiros, também chamada de cobertura RCF-V – Responsabilidade Civil Facultativa de Veículos, quando contratada em um seguro auto serve para cobrir todos os gastos promovidos a outra pessoa pelo segurado.

Nela estão inclusas coberturas para danos materiais promovidos ao veículo ou bens de outra pessoa como uma bicicleta ou muro.

Danos corporais, caso o envolvido no acidente provocado pelo segurador tenha ferimentos e precise de socorro, ou tratamento médico.

E, danos morais caso a vítima do acidente por algum motivo queira acionar a justiça.

No entanto, é importante que você saiba que, além dessa cobertura não possuir franquia para ser acionada, ela conta com um limite máximo de cobertura.

Ou seja, se você contratar uma cobertura de R$ 50 mil e os gastos com o acidente somarem R$ 52 mil, será preciso que você cubra o valor com o seu dinheiro.

Agora você já sabe que o seguro de carro cobre colisão traseira, mas apenas em algumas situações. E conhece melhor o seguro para terceiros e seu funcionamento.

Sabe que, se o culpado pelo acidente for o outro motorista, torna-se responsabilidade dele arcar com os valores. Nem que seja apenas para a quitação da franquia.

Leia mais artigos sobre:
Jeniffer Elaina da Silva

Especialista em seguros, Jeniffer Elaina trabalha com redação, revisão e otimização SEO desde 2012. É formada em Marketing com pós em Administração na FGV e atualmente cursa Gestão de Seguros. Possui mais de 2.000 textos e 5 e-books publicados na área de seguros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *