Seta Balao

Simule o preço do seu Seguro Auto

Qual é a marca do seu carro?

O que você pode fazer para melhorar a segurança no trânsito

Muitas pessoas normalmente educadas e gentis se tornam agressivas quando estão dirigindo. Competição, agressividade e pressa são fatores explosivos na direção. Precisamos evitar a direção agressiva, para um trânsito mais seguro.

O que você pode fazer para melhorar a segurança no trânsito

Imagem: Getty

Comportamento agressivo no trânsito

Pesquisas realizadas sobre comportamento agressivo ao dirigir definiram o que caracteriza esse comportamento e quais as atitudes agressivas mais comuns entre motoristas.

O comportamento agressivo ao dirigir assume muitas formas. O típico comportamento agressivo inclui dirigir em alta velocidade, dirigir perto demais do carro à frente, não respeitar as normas do trânsito, trocar de faixa incorretamente, etc., a lista é longa.

Muitos motoristas nem ao menos percebem que estão dirigindo agressivamente.

Comportamento agressivo no trânsito precisa ser definido claramente porque isso é importante para que a polícia possa tomar ações de controle sobre ele de forma efetiva.

Conforme a Conferência sobre Direção Agressiva organizada no Canada, em 2000, definiu, “O comportamento ao dirigir é agressivo se ele deliberadamente aumenta o risco de colisão e é motivado por impaciência, intolerância, hostilidade e/ou para economizar tempo”.

De acordo com a pesquisa EOS Gallup Europa sobre comportamento agressivo ao volante concluiu, o problema está muito difundido em todo o mundo.

A pesquisa mostrou que existe uma forte relação entre demonstrar comportamento agressivo e ser uma vítima dele.

Cerca de 70 por cento dos motoristas na União Europeia que admitiram term comportamento agressivo em diversas ocasiões, se queixam de que foram vítimas desse problema por parte de outros motoristas.

A pesquisa mostrou que, apesar desse não ser um fenômeno novo, o comportamento agressivo no trânsito está aumentando.

As formas desse comportamento podem variar nos países e continentes. Por exemplo, na pesquisa EOS Gallup Europa, uma média de 50 por cento dos entrevistados na União Europeia e 37 por cento nos Estados Unidos respondeu que acham muito irritante ver outro motorista usando o celular.

A direção agressiva também é ruim para o meio ambiente. Pesquisa realizada pelo Instituto Flemish de Pesquisas Tecnológicas da Bélgica demonstrou que a direção agressiva em condições de trânsito pesado pode fazer você gastar 40 por cento a mais de combustível.

Os gases emitidos passam a ser consideravelmente mais poluentes e o monóxido de carbono aumenta aproximadamente oito vezes em relação ao normal.

Quais são as causas da direção agressiva?

Existem muitas explicações teóricas para o comportamento agressivo no trânsito, nenhuma delas o explica completamente.

Existem teorias que consideram o comportamento agressivo como inato, apesar de que pode ser modificado pela experiência.

Algumas consideram que existem situações de frustração que detonam o comportamento agressivo.

As abordagens sociais argumentam que a agressão é aprendida, através da imitação e observação de outras pessoas consideradas importantes.

Na verdade, o comportamento agressivo é uma combinação de diferentes fatores, que são difíceis de controlar.

A única forma para isso acontecer é a própria pessoa conhecer a si próprio e suas reações irracionais para prevenir comportamentos agressivos.

Os seres humanos são naturalmente apegados ao seu território e costumam ver o seu veículo como uma extensão do seu domínio pessoal.

Muitos se sentem ameaçados por outros veículos e respondem agressivamente, movidos por um instinto de autoproteção.

O instinto humano competitivo pode ser uma causa para a direção agressiva, como no caso dos motoristas que, ao serem ultrapassados por outro veículo, consideram que isso é um desafio.

Isso pode levar a se expor a uma corrida, envolvendo velocidade, muito acima da velocidade permitida e em que os motoristas se arriscam, abusando das manobras.

Outro exemplo de competição nas estradas é o de motoristas que correm para escapar dos sinais vermelhos.

Mais sério ainda é que ainda existem motoristas que tentam ameaçar ou punir outros por um tipo de comportamento na direção que eles não gostam.

É como se assumissem uma atitude de vigilantes, o que inclui atitudes como dirigir muito perto do veículo da frente, brecando de repente, como para avisar o veículo atrás, ou bloqueando a ultrapassagem, usando luz alta para punir outros motoristas, gritando e fazendo gestos obscenos.

Todos esses comportamentos são agravados pelo estresse e as pressões da vida moderna.

No trânsito congestionado, os sentimentos de frustração são responsáveis pela direção agressiva e falta de respeito para com outros motoristas, como mudar de faixa sem indicar, ameaçar motoristas que dirigem devagar e reclamar de faróis que parecem demorar muito para mudar.

O que eu, motorista, posso fazer?

Existem medidas que são colocadas em prática pelo poder público para aumentar a segurança no trânsito. Radares que detectam velocidade acima do permitido costumam ser eficazes para reduzir acidentes, aplicando multas.

Em países como nos Estados Unidos, há câmeras nos faróis, que fotografam quem avança o sinal vermelho. Há programas que incentivam que motoristas filmem quem está dirigindo agressivamente.

Fotos podem ser usadas em tribunais, em caso de acidente e companhias de seguro estão dando bons descontos para quem demonstra respeitar os limites de velocidade e não dirige agressivamente.

Em virtude da extensão do problema da direção agressiva, medidas punitivas e outras medidas externas apenas terão um efeito limitado.

É necessário que os motoristas reconheçam o problema e resolvam tentar refrear sua agressividade na direção, mostrando mais respeito pelos outros usuários das ruas e estradas.

Isso tem que ser enfatizado nas campanhas pela segurança nas pistas. As autoridades precisam encontrar maneiras de levar essa mensagem aos motoristas.

Entretanto, cada um de nós, em nossas vidas diárias, pode ajudar, reconhecendo nosso próprio comportamento agressivo na direção e corrigindo nossas atitudes, dando um bom exemplo de respeito aos outros no trânsito em ações como:

– Demonstrar gentileza para com outros motoristas e evitar ações como provocações.

– Estar seguro de que o seu modo de dirigir não está irritando os outros.

– Sempre indicar antes de mudar de faixa.

– Deixar espaço suficiente antes de voltar para a faixa.

– Não ocupar o espaço de mais de uma vaga no estacionamento.

– Baixar as luzes altas para veículos de outra pista à noite.

– Não bloquear a passagem da pista de maior velocidade nas estradas.

– Evite dirigir quando estiver se sentindo estressado, emocionado ou raivoso.

– Relaxe atrás do volante e seja paciente.

– Tente ser mais tolerante com outros motoristas.

– Use a buzina com moderação, o uso agressivo da buzina provoca os outros.

– Não interprete que a direção agressiva dos outros é deliberadamente dirigida a você.

Planeje sua viagem com antecedência e deixe tempo suficiente. Evite a situação de precisar correr para chegar a um compromisso importante e correr riscos no trânsito apenas para ganhar poucos minutos.

– Não reaja a outros motoristas que estão procurando conflito ou desafiando você. Afaste-se e deixe que eles passem, não entre em contato visual, mantenha as mãos no volante e não faça gestos que mostrem sua irritação ou frustração com suas atitudes.

Direção segura e não agressiva para motociclistas

Na Semana Nacional do Trânsito há muitos organismos públicos, nacionais e internacionais que lançam diversas ações para chamar a atenção para o tema da segurança.

Todos nós, pedestres, motoristas e motociclistas, queremos nos movimentar e fazemos parte do trânsito.

As ações mais comuns, para os motociclistas no Brasil, são as educativas, aquelas que orientam sobre a importância da manutenção do veículo, dos equipamentos de segurança pessoal, dão dicas sobre comportamento ao volante, como evitar bebidas alcoólicas antes de dirigir.

São distribuídos folhetos nas escolas, nos faróis, nos pedágios das rodovias, enfim, em locais de grande circulação. Uma série de iniciativas é lançada para que haja uma convivência mais harmoniosa nas estradas e ruas do país.

Entretanto, é preciso uma atenção diária para a segurança dos motociclistas, que são as maiores vítimas no trânsito, mas tratados como os maiores vilões.

É importante destacar que campanhas educativas somente não têm efeitos se não acontecer uma mudança de comportamento entre motoristas, motociclistas e pedestres.

Todos somos responsáveis, todos precisam aceitar e administrar os erros dos outros, porque todos nós erramos. Todos nós podemos levar educação para o trânsito.

Para os motociclistas existem atitudes que ajudam no trânsito:

  1. Não estamos competindo, competir no trânsito é perder.
  2. A moto não é uma arma.
  3. Você não tem sempre razão, evite o confronto, você vai levar a pior.
  4. Há motoristas armados, não enfrente, não tente provocar.
  5. Seja tolerante, todo mundo erra.
  6. Seja educado e cordial.
  7. Respeite os limites da sua moto, os seus próprios e os dos outros.
  8. Não tente ser mais esperto desrespeitando os sinais de trânsito.

Leia mais artigos sobre:
Jeniffer Elaina da Silva

Especialista em seguros, Jeniffer Elaina trabalha com redação, revisão e otimização SEO desde 2012. É formada em Marketing com pós em Administração na FGV e atualmente cursa Gestão de Seguros. É apaixonada pelo que faz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *