Seta Balao

Simule o preço do seu Seguro Auto

Qual é a marca do seu carro?

Seguradora pode descontar multas da indenização integral?

Você sabe quando a indenização total é paga? Sabe se a seguradora pode descontar multas da indenização integral? Acompanhe o texto e descubra tudo o que você precisa.

A seguradora pode, sim, descontar multas da indenização integral do seguro. Isso acontece porque o veículo precisa estar sem pendências na hora de receber todos os valores.

Para compreender essas normas, é preciso descobrir, primeiro, o que é esse tipo de indenização. A indenização integral é o valor pago pela seguradora, ao segurado, sempre que uma perda total do veículo acontece.

A perda total ocorre quando, após um sinistro, o veículo tem alto custo para conserto. O custo é caracterizado como alto quando corresponde a mais de 75% do valor do veículo.

Uma indenização integral também é paga quanto o carro é roubado ou furtado, e não recuperado pela polícia.

Em ambas as situações, os valores pagos ao consumidor têm como objetivo permitir a compra de um novo veículo. Afinal, o auto segurado estará sem condições de uso.

Na hora de pagar os valores, a seguradora transfere o veículo “perdido” para o seu nome. Assim, se torna dona do bem, e pode ressarcir o usuário de seu prejuízo.

Para a transferência de propriedade, é preciso que todas as dívidas do veículo estejam em dia.

Impostos, multas, Seguro DPVAT ou qualquer outra pendência. É por isso que a seguradora pode descontar multas da indenização integral.

Seguradora pode descontar multas da indenização integral?

Imagem: Getty

A seguradora sempre desconta multas da indenização integral?

Apesar da possibilidade de descontar valores da indenização, a seguradora não toma essa atitude sem avisar ao cliente.

Isso porque, há outra possibilidade: a de que o próprio motorista pague as dívidas. Assim, a empresa dá ao usuário um prazo para a quitação.

Após a regularização dos débitos, ela fará a transferência do veículo para a sua propriedade. Só então, pagará a indenização integral ao segurado.

De qualquer forma, é bem mais comum que haja o desconto da indenização, pela própria escolha do consumidor.

Afinal, o processo costuma ser mais simples ao usuário, já que a seguradora será responsável por ele.

Em todo o caso, a seguradora não pode cobrar por realizar a quitação dos débitos perante os órgãos responsáveis.

Os descontos da indenização devem ser, apenas, do valor exato das dívidas que estavam em aberto.

Descontados os valores necessários, o consumidor receberá o restante do que foi estipulado em contrato.

Normalmente, os montantes correspondem ao valor do carro na Tabela FIPE. O usuário pode fazer o que desejar com os valores, não sendo obrigado à compra de um novo veículo.

Em quanto tempo a seguradora paga a indenização?

Após o registro do sinistro e a entrega dos documentos solicitados, a seguradora tem até 30 dias para liberar a indenização integral ao consumidor.

Esse prazo pode ser interrompido se faltarem documentos, e continuará a ser contado com a entrega dos dados solicitados.

Como já citado, a indenização integral ainda é paga quando o carro é roubado ou furtado. O prazo também é de 30 dias nestes casos.

Porém, se o veículo for recuperado enquanto o processo de indenização ainda estiver em curso, a seguradora irá interrompê-lo. Em seguida, a empresa fará a avaliação do veículo.

Se tiver havido apenas perda parcial, o carro será consertado. A perda parcial acontece quando os reparos do seguro têm custo menor do que 75% do valor do carro.

Mas, se mesmo após a avaliação, a seguradora verificar a perda total, o processo da indenização integral será retomado de onde foi interrompido.

Outro ponto importante é que não existe a cobrança de franquia em caso de indenização integral. A franquia é um valor pago pelo usuário em perdas parciais.

Com ela, seguradora e motoristas dividem o custo dos reparos. A franquia pode ter valor fixo ou percentual, e fica definida no contrato do seguro.

Além disso, após o pagamento da indenização integral, a apólice de seguro é cancelada. Assim, se o usuário comprar um novo carro e desejar protegê-lo, deverá contratar um novo seguro.

O que acontece com as classes de bônus?

Com a indenização integral quitada, o usuário perde uma classe de bônus. Os bônus são pontos, que o consumidor acumula a cada ano que renova o seguro sem registrar um sinistro.

Cada ponto acumulado dá ao motorista um percentual de desconto na contratação do seguro auto.

O usuário pode manter algumas classes de bônus se comprar um carro e contratar proteção em até 6 meses após o fim da apólice. A partir dos 60 dias, porém, os pontos vão diminuindo gradativamente.

Por exemplo: com o dinheiro da indenização integral, você compra um novo carro. Você tinha 5 classes de bônus, e perdeu 1 com a finalização da apólice.

Se a contratação for feita em até 60 dias, você terá 4 pontos. 120 dias após a indenização, você perderá mais 1 ponto, ficando com 3.

Se a contratação acontecer entre 4 e 6 meses após a apólice anterior, você terá perdido 2 pontos no total. Então, restarão 2 classes de bônus.

Por fim, se o seguro novo for obtido após 6 meses, você será recebido como um novo usuário do serviço. Por isso, não contará com nenhum desconto de bônus.

Agora você já sabe tudo o que precisa sobre os descontos de multa da indenização integral do seguro.

É importante conhecer todas as informações antes da assinatura do contrato de proteção. Assim, você terá certeza de todos os seus direitos e deveres sobre o assunto.

Leia mais artigos sobre:
Jeniffer Elaina da Silva

Especialista em seguros, Jeniffer Elaina trabalha com redação, revisão e otimização SEO desde 2012. É formada em Marketing com pós em Administração na FGV e atualmente cursa Gestão de Seguros. Possui mais de 2.000 textos e 5 e-books publicados na área de seguros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *